Ligue-se a nós

Sociedade

Dono de terreno de campos de ténis de Leiria condenado a 18 meses de pena suspensa

O tribunal de Leiria deu como provado que Arlindo Lisboa Moniz colocou estrume dentro do recinto do Clube Escola de Ténis de Leiria.

Publicado

em

Por

Clube da Escola de Ténis de Leiria
Foto: Clube da Escola de Ténis de Leiria Foto: Clube da Escola de Ténis de Leiria / Facebook

O Tribunal de Leiria condenou esta quinta-feira um dos proprietários dos terrenos onde foi construído o complexo de ténis a 18 meses de prisão, pena suspensa por dois anos, por dano qualificado.

Acusado pelo Ministério Público de seis crimes de dano qualificado, por cortes de árvores municipais e estrume deitado nos campos, o Tribunal de Leiria deu como provados cinco crimes, condenando Arlindo Lisboa Moniz a seis meses por cada crime cometido.

“Em cúmulo jurídico, o arguido vai condenado na pena única de 18 meses de prisão. Considera-se que a simples censura e ameaça de prisão serão suficientes, pelo que se suspende a pena por dois anos”, adiantou a juiz.


Arlindo Lisboa Moniz cortou árvores e deitou estrume nos campos

Segundo o despacho do Ministério Público (MP), o arguido terá tido várias ações de corte de árvores plantadas pelo Município de Leiria e deitado toneladas de estrume nos campos, que são geridos pelo Clube Escola de Ténis de Leiria (CETL) desde 2014, obrigando-o, por diversas vezes, a suspender a sua atividade desportiva.

O CETL pedia uma indemnização de 3.000 euros pelos prejuízos provocados pelo arguido, valor que o tribunal deu provimento.


Câmara de Leiria vai ser indemnizada em mais de 100 mil euros

O arguido foi condenado ainda a pagar 111.914,76 euros ao Município de Leiria – menos 32 euros que a Câmara reclamava – a “título danos patrimoniais sofridos”.

O tribunal confirmou parte da acusação, referindo que a Câmara de Leiria e a sociedade Leiria Polis (entretanto dissolvida) celebraram, em 2006 um protocolo com o proprietário de dois prédios, em São Romão, tendo “edificado o complexo municipal dos campos de ténis, infraestruturas de apoio e arranjos exteriores envolventes”.


Moniz&Ribeiro reclama do Município de Leiria cerca de 400 mil euros

Em 2008, o proprietário do prédio foi transmitido, por permuta, à sociedade Moniz&Ribeiro, Lda, participada e representada pelo arguido, Arlindo Lisboa Moniz.

“De tais factos emergiu um litígio entre o Município de Leiria e a sociedade, por alegado incumprimento do protocolo”, estando a decorrer um processo judicial no Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Leiria.

Ficou provado que o arguido ou alguém a seu mando procedeu a corte e abate de árvores “plantadas pelo Município de Leiria” e que “tripulando uma máquina florestal com um braço hidráulico, conhecido por carregador e transporte de madeira”, movimentou parte dos troncos das árvores que havia cortado e colocou-os à entrada dos campos de ténis, “estragando o pavimento de cimento e a plataforma superior do anfiteatro, causando um prejuízo não inferior a 102 euros”.

O tribunal de Leiria deu ainda como provado que o arguido colocou estrume dentro do recinto do CETL. “Ao realizar essa operação, estragou uma parte da vedação”, lê-se no despacho do MP.

O arguido estava ainda acusado de ter arremessado para o interior de dois campos de ténis “duas garrafas de vidro contendo creolina e dejetos de animais, estragando o piso dos campos e provocando um odor nauseabundo no recinto do clube, impedindo o normal acesso e utilização do mesmo por terceiros”.

No entanto, o tribunal absolveu Arlindo Lisboa Moniz deste crime, por não se ter conseguido provar.

O advogado do arguido, Luís Gomes, criticou o tempo que a justiça está a demorar a julgar o processo que opõe o Município de Leiria e Arlindo Lisboa Moniz.

“Isso é que é escandaloso. Estão ações no TAF desde 2013, salvo erro, e o tribunal ainda está a discutir se é competente para dirimir esta situação. Isto não justifica a sua atuação [crime], pode mitigá-la um bocadinho”.

“É uma chamada de atenção às entidades competentes para que estas situações se resolvam no lugar próprio, adequadamente. Não vejo como se possa fazer justiça com este tempo todo. Estamos a falar de várias centenas de milhares de euros”, acrescentou o advogado Luís Gomes.

FARMÁCIAS DE SERVIÇO EM LEIRIA

POPULARES