Ligue-se a nós

Sociedade

Município de Pombal quer plantar 27 mil espécies autóctones por ano

Para o município, o maior desafio prende-se com a sensibilização dos proprietários florestais a aderirem às espécies autóctones.

Publicado

em

Por

Foto: Sobreiro / Pixabay

O Plano Municipal de Fomento da Floresta Autóctone da Câmara de Pombal, que está em discussão pública, prevê a plantação de 27 mil espécies autóctones por ano no concelho, aumentando a biodiversidade e a proteção contra incêndios.

“Isto é um plano a dez anos. O Município de Pombal ambiciona intervencionar 300 hectares, com a plantação de 27 mil espécies autóctones, por anos. Pretendemos atingir um total de 3.000 hectares e as 270 mil espécies até à vigência deste plano, em 2031”, disse à Lusa a vereadora com o pelouro do Desenvolvimento Rural e Floresta, Catarina Silva.

Segundo a autarca (PSD), a “novidade” e o “maior desafio” deste plano é “sensibilizar os proprietários florestais” a aderirem às espécies autóctones quando foram fazer a “reconversão de povoamento de eucalipto ou de espécies lenhosas invasivas”.

O Município de Pombal vai realizar ações de sensibilização, informando a disponibilidade da câmara para apoiar os proprietários, assumindo a atribuição das espécies e a parte logística.

“Se o terreno não estiver registado, vamos também auxiliar que seja feito no BUPi [Balcão Único do Prédio]”, o que irá também para contribuir para melhorar o cadastro florestal, admitiu Catarina Silva.

A vereadora explicou à Lusa que a proposta do Plano Municipal de Fomento da Floresta Autóctone em discussão tem como objetivos “aumentar a biodiversidade florestal, aumentar a resiliência dos ecossistemas florestais com espécies mais resistentes, quer a intempéries quer aos incêndios, diminuir a perigosidade e o risco de incêndio florestal e aumentar a proteção dos edificados e da rede viária”.

“Propomo-nos substituir as espécies atuais por outras mais resistentes nas áreas das faixas de gestão de combustível, que protegem os aglomerados populacionais e as áreas industriais, assim como as faixas que fazem a proteção à rede viária florestal e as faixas de gestão de proteção ao edificado disperso e a estrutura ecológica municipal”, acrescentou.

Catarina Silva reforçou que o documento evidencia a “preocupação em mudar a paisagem e incentivar o proprietário florestal”. “Não estamos a falar dos produtores, porque esses vivem da floresta e é difícil ter rendimento mais imediato com as espécies autóctones, mas dos proprietários que, por vezes, pretendem ter os terrenos ocupados sem pressa de tirar rendimento”, adiantou.

A autarquia, presidida por Pedro Pimpão (PSD), pretende adquirir espécies como azinheiras, sobreiros, freixos, carvalhos, pinheiros manso, medronheiros e outras folhosas.

Segundo o aviso publicado em Diário da República (DR), no dia 14 de abril, a discussão pública decorre durante 30 dias, período durante o qual os interessados poderão proceder à apresentação de sugestões.

FARMÁCIAS DE SERVIÇO EM LEIRIA

POPULARES