Ligue-se a nós

Sociedade

Pedrógão Grande: Alzira ainda está à espera da sua casa, quatro anos depois

“Não consegui recuperar nada”, conta à agência Lusa Alzira Luiz, hoje a morar em Moredos, às portas da vila de Castanheira de Pera, numa habitação arrendada. 

Publicado

em

Por

Pedrógão Grande Incêndio
Foto: Incêndio em Pedrógão Grande, em 2017 / DR

Alzira Luiz perdeu a habitação, na aldeia de Rapos, concelho de Castanheira de Pera, no incêndio de 17 de junho de 2017. Quatro anos depois, ainda espera pelo regresso a casa.

Alzira, de 77 anos, estava sozinha em casa quando o fogo chegou, como esperava que chegasse, e, assim que percebeu que seria uma luta impossível de travar, fugiu a pé apenas com “uma malinha com os documentos”, e, já longe, viu a habitação, onde morava há mais de 40 anos, arder.

“Não consegui recuperar nada”, conta à agência Lusa Alzira Luiz, hoje a morar em Moredos, às portas da vila de Castanheira de Pera, numa habitação arrendada.

A Segurança Social pagou-lhe a renda de 150 euros mensais até dezembro de 2020 e, a partir daí, nunca mais houve apoio, tendo assistido “a espetáculos dos senhorios” a exigirem-lhe o pagamento.

“Chegaram a dizer-me para sair daqui para fora”, recorda. Falou com a Câmara de Castanheira de Pera e os senhorios acabaram por nunca mais a chatear.

A adaptação à nova casa também não foi fácil: “O nosso cantinho é o nosso cantinho. Pode parecer para as outras pessoas que não é bom, mas para nós é o melhor”, diz, salientando que por ali o seu cão, de nome Max, tem de estar preso e também ela se sente algo presa, sem a sua casa e sem a sua horta, que era um entretém.

“Custa mais a passar o tempo”, acrescenta.

Em Rapos, está apenas o trabalho de alvenaria feito (paredes e cobertura), pago pelo fundo Revita, faltando tudo o resto (acabamentos, instalação elétrica e canalização, chão, cozinha).

Dentro da casa, um ninho de andorinhas é marca do abandono.

Os quatro anos de espera não são fáceis de contar, nem de explicar. E mudando de interveniente, a história também ela muda. “É um processo extremamente complicado de gerir”, resume a presidente da Câmara de Castanheira de Pêra, Alda Carvalho.

Tudo começou com a atribuição da casa a um grupo de voluntários de Pombal intitulado ReConstruir Pinhal Interior Norte, liderado por Joel Silva, que se prontificou a reabilitá-la, ainda antes de ser certo como as casas destruídas seriam apoiadas.

A estrutura, conta Alzira Luiz, foi paga pelo Revita e o resto seria feito pelos voluntários.

A intervenção de alvenaria até demorou pouco tempo a ficar de pé, apontando para 2018 como o ano em que ficou concluída, mas sem dar certezas.

Segundo Alzira, depois é que veio o impasse: “Eles andavam a fazer outra casa na Figueira [concelho de Pedrógão Grande e que terminaram em dezembro de 2019] e disseram que iam acabar aquela e que depois vinham à nossa fazer tudo o resto. E nós confiámos. Mas o voluntariado desapareceu com as polémicas das casas”, recorda.

Tentou telefonar-lhes, perceber quando fariam a sua casa, mas só no final de 2019 é que soube que o grupo de voluntários ia abandonar o projeto.

Posteriormente, contratou um arquiteto, teve que esperar pela autorização do anterior para a reformulação do projeto e espera agora que os papéis deem entrada na Câmara em breve.

Isto tudo porque a estrutura e o projeto, tal como está, é mais pequeno do que a casa que tinha, realça.

“Os quartos são mais pequenos, tinha duas salas, agora só tenho uma e a casa de banho também é muito pequena”, frisa, salientando que o projeto agora irá estar mais ao encontro da sua vontade e necessidades.

Foi essa divergência sobre as dimensões e projeto da casa que terá estado no centro dos problemas entre Alzira e o grupo de voluntários.

Joel Silva, do grupo de voluntários, diz que a intervenção na casa de Rapos demorou inicialmente porque a família de Alzira teve que resolver um problema de partilhas, tendo adiado logo o processo para março de 2018, altura em que foi feita a demolição da casa ardida.

“A casa tinha uma área muito grande, mas não servia de nada para uma casa onde vivia só a dona Alzira e onde a neta passava lá algum tempo regularmente”, afirma.

Segundo o responsável do grupo, os desenhos propostos foram recusados três vezes por Alzira e ao quarto, quando havia a possibilidade de se avançar com o trabalho de alvenaria, a família aceitou, mas depois de ver a obra criticou-a.

“Queriam mais quartos, queriam mais área, queriam uma janela e eu cansei-me. Eu fazia 200 quilómetros, sábados perdidos, uma pilha de nervos e recusavam os desenhos porque queriam ter uma casa melhor”, refere.

Joel salienta ainda que o próprio grupo não teria condições para assegurar tudo o que Alzira pretendia, quer em termos de materiais, quer em termos de recursos humanos, especialmente após o verão de 2018, em que estalou a polémica da eventual fraude nas reconstruções, e o projeto passou de 20 para três voluntários por sábado e perdeu doações de material.

Questionado pela Lusa sobre se Alzira não tinha o direito de ter uma casa próxima àquela que tinha antes de arder, Joel Silva respondeu que nunca percebeu tanta intransigência para alguém que “ia receber uma casa de borla”.

Segundo o líder do grupo de voluntários, foi ainda em meados de 2019 que se desvinculou do projeto, comunicando essa intenção ao fundo Revita e à autarquia.

“Tenho muita pena de não entregar a chave à dona Alzira e tenho muita pena de não ver lá o Max, mas cansei-me”, desabafou.

Para a presidente da Câmara, Alda Carvalho, o processo não foi conduzido da melhor forma. A autarca refere que a associação teve dificuldade em dar resposta ao projeto quando se deparou com falta de voluntários e materiais.

“Andámos em 2020 a tentar que a associação assumisse a obra, mas depois chegámos à conclusão que não daria e agora estamos a tentar resolver problemas inerentes”, aclarou.

A autarquia espera agora que a família de Alzira apresente o novo projeto de arquitetura para depois ser feito um pedido de apoio junto do Revita para garantir o fim da obra.

“Eu sou a primeira que queria que este projeto estivesse concluído. Nós queremos a dona Alzira realojada na sua casa”, referiu.

Questionada sobre se o processo tivesse sido assumido logo desde início pelo Revita em que ponto estaria a casa, Alda Carvalho não tem dúvidas: “Já estava concluída”.

Numa resposta por e-mail, a Segurança Social (SS) afirmou que das 99 casas que o Fundo Revita tem diretamente a seu cargo cinco estão suspensas por causa do processo judicial em curso e cinco em execução.

A SS prevê que as obras “ficarão concluídas durante este ano”.

Já sobre os apoios às rendas, a SS apenas referiu que está presente desde o início “no apoio à população afetada pelos incêndios”.

Por enquanto, Alzira não tem grande esperança que vá já passar este natal à sua casa. “Há quatro natais que oiço isso e cada natal passa e estamos assim. Estou cansada”, lamentou.

Sociedadehá 24 horas

Discotecas classificadas com CAE de bar podem reabrir no domingo

Culturahá 1 dia

Iniciativa Capital Europeia da Cultura motiva investimentos no setor – Paulo Lameiro

Culturahá 1 dia

Anos de preparação são mais-valia da candidatura Leiria a Capital da Cultura – coordenador

Acidente Carro Estrada
Sociedadehá 2 dias

Despiste contra casa em Alfeizerão fere gravemente uma mulher

Sociedadehá 2 dias

NERLEI alerta empresas para o aumento do custo da eletricidade

Mulher Violência Doméstica
Sociedadehá 2 dias

Pulseira eletrónica para homem detido por maus-tratos a companheira e filho em Leiria

Opinião
Opiniãohá 2 dias

Como é que se fazem os bebés?

Auriol Dongmo
Desportohá 2 dias

Tóquio2020: Auriol Dongmo qualifica-se para a final do lançamento do peso

Pobrais Pedrógão Grande
Sociedadehá 2 dias

Quase dois mil hectares de Pedrógão Grande em Área Integrada de Gestão da Paisagem

Máscara
Sociedadehá 3 dias

Uso de máscara deixa de ser obrigatório na via pública em setembro

Agendahá 3 dias

Concertos de Verão percorrem jardins e parques verdes de Leiria

Leiria Lettering Fica Em Casa
Sociedadehá 3 dias

“Leiria Protege” distribuiu 776 mil euros por 311 empresas

Autárquicas 2021há 3 dias

Descer impostos, baixar o preço da água e resolver o problema da habitação – Fábio Joaquim

Sociedadehá 3 dias

Gonçalo Lopes apela à participação nas eleições autárquicas

Autárquicas 2021há 3 dias

PAN também quer governar Câmara de Leiria e apresenta empresário Pedro Machado

Artigo Patrocinadohá 3 dias

Será que escolherá jogar em casinos só de criptomoedas ou em casinos compatíveis com criptomoedas?

Agendahá 3 dias

Agrupamento Escuteiros 1244 Louriçal recolhe alimentos e produtos de higiene

Taxi Centro Hospitalar de Leiria
Sociedadehá 3 dias

Hospital de Leiria recebeu 28 crianças com sintomas de intoxicação alimentar

INEM
Sociedadehá 3 dias

Criança de 12 anos morre afogada em Pombal

Crianças
Sociedadehá 4 dias

Nove crianças levadas para o hospital com sintomas de intoxicação alimentar

Bem Estarhá 3 semanas

O Lidl mais bonito do mundo fica no distrito de Leiria

Bola Futebol Estádio
Sociedadehá 4 semanas

Jovem de 12 anos morre em jogo de futebol vítima de paragem cardiorrespiratória em Leiria

Criança mão
Sociedadehá 1 ano

Menina de dois anos e meio infetada com Covid-19 em Leiria

Rei dos Frangos Take-Away
Sociedadehá 4 semanas

Churrasqueira de Leiria esclarece que não é “esse Rei dos Frangos” e nem percebe de ações”

Colégio Infantil Cubo Mágico Leiria
Sociedadehá 2 anos

Creche em Leiria perde bebés durante passeio em pinhal

BMW
Sociedadehá 4 meses

GNR nega que tenha um BMW M3 descaracterizado para patrulhar Leiria

Av. Heróis de Angola, Leiria
Sociedadehá 2 semanas

Nove concelhos do distrito de Leiria com limitação de circulação a partir das 23h00

Dialectos-Manjedoura-D-Dinis
Bem Estarhá 2 anos

Escola de Leiria adapta vídeo “Dialectos de Manjedoura” para Língua Gestual

Lar Residência Quinta Santo António
Sociedadehá 1 ano

Residências Quinta Santo António inauguram em julho com quartos a partir de 1500 euros

Buscas S. Pedro Moel
Sociedadehá 2 anos

Encontrado corpo de pescador desaparecido em São Pedro de Moel

Violência Doméstica Mulher
Sociedadehá 9 meses

Homem de 41 anos detido por violência doméstica em Leiria

Filme Druk
Cinemahá 7 meses

Druk – Another Round – A medida ideal

Plantar
Sociedadehá 4 meses

Quer plantar uma árvore no seu jardim? O Município de Leiria oferece

Praia Nazaré Covid-19
Sociedadehá 3 meses

Através do telemóvel vai conseguir reservar um lugar na praia

Passadiço Casal S. Simão
Sociedadehá 2 anos

Passadiços de Casal de S. Simão vão ser inaugurados em 2020

Máscara
Sociedadehá 1 ano

Distrito de Leiria tem 28 pessoas infetadas com Covid-19

Gelo para brisas GNR
Sociedadehá 2 anos

GNR de Leiria dá conselhos de como remover gelo do pára-brisas

Knives Out Movie Daniel Craig
Cinemahá 2 anos

Quem matou Harlan Thrombey? – Knives Out

Termómetro Febre
Sociedadehá 1 ano

Pombal: Homem infetado com Covid-19 leva ao fecho de estabelecimentos

Covid-19 Câmara Marinha Grande
Sociedadehá 9 meses

Concelho de Leiria acorda com 270 casos ativos de covid-19. Marinha Grande no vermelho

POPULARES