Ligue-se a nós

Sociedade

Prisão preventiva para três suspeitas de crimes de furto no distrito de Leiria

As três mulheres, com idades entre os 18 e os 25 anos, são suspeitas de 12 crimes de furto no distrito de Leiria.

Publicado

em

Por

Prisão Arame farpado
Foto: Arame farpado em prisão / Pixabay

O juiz de instrução do Tribunal Judicial de Leiria decretou hoje a prisão preventiva às três mulheres suspeitas da prática de 12 crimes de furto no distrito de Leiria, detidas pela PSP, disse à Lusa fonte policial.

As arguidas, com idades entre os 18 e os 25 anos, foram detidas na segunda-feira, em Aveiro, fora de flagrante delito, pela prática de crimes de furto qualificado, quando se preparavam para abandonar o país, disse fonte da PSP à Lusa.

As detidas foram hoje presentes ao juiz de instrução criminal, que aplicou a medida de coação de prisão preventiva.

“No decurso de uma investigação que dura há cerca de um ano, foi possível apurar que o grupo agora detido se dedicava à prática de furtos em residências. Depois de selecionadas as residências alvo, as suspeitas, aproveitando a ausência dos proprietários, introduziam-se no interior das mesmas, sem provocar qualquer dano, e subtraíam, essencialmente, objetos em ouro e numerário”, refere um comunicado do Comando Distrital de Leiria da PSP divulgado na terça-feira.

Segundo a PSP, as suspeitas “denotavam um elevado grau de organização”, adotando diversas medidas em vista à sua não identificação ou localização por parte das autoridades.

Na sequência da operação, foram apreendidos cerca de 3.000 euros em numerário, várias peças em ouro, algumas chaves de residências e de viaturas, várias moedas de coleção e a viatura em que se faziam transportar.

À agência Lusa, o comissário André Serra explicou que as mulheres, estrangeiras, são suspeitas de 12 furtos.

“Com os objetos recuperados, as suspeitas podem vir ainda a ser associadas a outros furtos”, disse o comissário da PSP.

Sobre o modo de atuação, André Serra afirmou que “faziam vigilância e observavam o comportamento das pessoas, aproveitando quando não estava ninguém em casa e a porta estava no trinco e não fechada à chave” para concretizar os furtos.

“Observavam e certificavam-se de que ninguém estava em casa tocando à campainha”, declarou, acrescentando que a investigação da PSP prossegue.

André Serra aconselhou os cidadãos a “trancarem sempre a porta com as voltas todas da chave” e, em caso de suspeita de furto, chamar sempre a polícia.

No caso de irem de férias, o comissário recomendou às pessoas que “minimizem ao máximo os sinais de ausência”, pedindo, por exemplo, a alguém que recolha a correspondência e que possa ir a casa ver se está tudo bem.

O comissário pede ainda que os cidadãos digam ao menor número possível de pessoas que se vão ausentar.

FARMÁCIAS DE SERVIÇO EM LEIRIA

POPULARES