Ligue-se a nós

Sociedade

“Raspadinha” do Património já está à venda

A “raspadinha” do Património vai ter um prémio máximo de 10 mil euros.

Publicado

em

Por

Raspar
Foto: Raspadinha / DR

A lotaria instantânea do Património vai ficar disponível a partir de hoje, Dia Internacional dos Museus, um ano depois do previsto, com o objetivo de angariar verbas para o Fundo de Salvaguarda do Património Cultural.

Com um valor facial de um euro, a “raspadinha” do Património vai ter um prémio máximo de 10 mil euros, segundo o Ministério da Cultura.

A Lotaria do Património Cultural, que chegou a ser anunciada para o ano passado, foi inscrita no Orçamento do Estado de 2021 para ajudar a responder a “necessidades de intervenção de salvaguarda e investimento”, em património classificado ou em vias de classificação, segundo as prioridades definidas pelo Governo para este ano.

Além de servir para angariar verbas que irão reforçar o Fundo de Salvaguarda do Património Cultural, segundo a ministra da Cultura, Graça Fonseca, a Lotaria do Património Cultural tem também o objetivo de “envolver todos”.

“Para que cada cidadão se sinta parte da missão nacional de preservar o património. Fazer com que cada um de nós se sinta parte de algo que tem de ser de todos. 2021 será também o ano de envolvermos todos nesta missão nacional”, afirmou a ministra Graça Fonseca, em fevereiro, durante uma audição na comissão parlamentar de Comunicação e Cultura.

A secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, Ângela Ferreira, na mesma audição parlamentar, lembrou que a Lotaria do Património “esteve prevista no Orçamento do Estado para 2020”, mas só agora é lançada visto que se trata de um “processo muito complexo, nomeadamente no que diz respeito a questões de segurança”.

No entanto, o processo não esteve isento de críticas: o presidente do Conselho Económico e Social (CES), Francisco Assis, disse, em março deste ano, que iria promover um estudo sobre o impacto social do vício da ‘raspadinha’, na esperança de que o Governo reponderasse o lançamento da nova lotaria instantânea.

“O Governo deveria reponderar o lançamento de uma nova lotaria instantânea, que está prevista no Orçamento do Estado. […] Se eu tivesse responsabilidades governativas esperaria, no mínimo, pelo estudo que o CES vai promover”, disse Francisco Assis à agência Lusa.

O presidente do CES afirmou, na altura, que iria informar o Governo da sua intenção e contactar investigadores da Universidade do Minho, para que iniciassem um estudo sobre as consequências sociais do vício da lotaria instantânea, conhecida por raspadinha.

O presidente do CES explicou à Lusa que se apercebeu recentemente da gravidade das consequências do vício das raspadinhas, porque foi alertado por profissionais do setor social e consultou alguns estudos sobre o tema.

Assis referiu, a propósito, que as raspadinhas representam 50% do total das receitas de lotarias e que as suas vendas têm vindo a crescer significativamente desde 2010, de acordo com um estudo realizado por Daniela Vilaverde e Pedro Morgado, em março 2020.

FARMÁCIAS DE SERVIÇO EM LEIRIA

POPULARES