Ligue-se a nós

Sociedade

Suinicultores dão prazo de 15 dias para Governo responder a reivindicações do setor

Perda de exportação para a China, aumento dos custos de produção, motivado pelo aumento dos preços dos cereais, dos combustíveis e da energia são algumas das dificuldades apontadas.

Publicado

em

Por

Presidente David Neves
Foto: David Neves, presidente da FPAS / DR

A Federação Portuguesa de Associação de Suinicultores (FPAS) deu esta terça-feira um prazo ao Governo para cumprir com as reivindicações de apoio exigidas já em novembro para evitar o “iminente colapso” do setor.

“Os suinicultores vieram confirmar aquilo que eram as reivindicações da Federação à tutela e apoiar os pedidos feitos. Damos um prazo de 15 dias para que o Governo se pronuncie sobre estas medidas, porque o setor não tem condições para esperar mais tempo”, disse o presidente da FPAS, David Neves, após uma reunião de cerca de duas horas, em Leiria.

O empresário lembrou as medidas apresentadas à ministra da Agricultura a 29 de novembro e discutidas “há oito dias” com o secretário de Estado da tutela: “uma linha de apoio à tesouraria imediata, redução daquilo que definimos como energia verde, o apoio à energia, porque temos dos combustíveis mais caros da Europa, a suspensão da Taxa Social Única durante um ano e agilizar todo o processo de abertura de novos mercados”.


Pacote de ajudas

David Neves salientou que “Portugal tem de seguir o exemplo dos restantes parceiros da União Europeia e criar condições para que este setor não desapareça nos próximos dias”, referindo o pacote de ajudas “na ordem dos 90 milhões de euros” atribuído na Polónia e de “270 milhões de euros” em França.

Se este prazo não for cumprido, os suinicultores prometem novas lutas. “Temos de voltar a juntar-nos aqui e tomar uma decisão sobre medidas que possamos vir a tomar no sentido de exigir o cumprimento urgente destas medidas”.

Segundo o presidente da FPAS, além de terem perdido a exportação para a China, os suinicultores enfrentam um “aumento substancial dos preços dos custos de produção, motivado pelo aumento dos preços dos cereais, dos combustíveis e da energia e a redução dramática dos preços pagos aos produtores que ultrapassa os 40%”.

Por isso, apela à intervenção dos ministros da Agricultura e dos Negócios Estrangeiros para abrir “novos mercados para que os produtores nacionais possam também fazer o que sabem: produzir bem”.

“Somos competitivos, produzimos ao nível do melhor que se faz no mundo”, acrescentou.


Promoções à carne de porco feitas pela grande distribuição não ajudam

David Neves deixou ainda um apelo à grande distribuição para que terminem “com as sucessivas campanhas de promoção à carne de porco, que em nada ajudam a produção nacional e este prejuízo que o setor está a ter não se está a refletir nos consumidores”.

Durante a reunião, houve ainda apelo de alguns empresários para que todos avancem para a certificação do bem-estar animal.

FARMÁCIAS DE SERVIÇO EM LEIRIA

POPULARES